Pular navegação

Memorial Victoria Matos 10/09/2014

Memorial Victoria Matos 10/09/2014

Tivemos que abdicar de um parte do ensaio de hoje para resolvermos algumas questões,a maioria delas consequenciadas por Jango.Desde que entrei na livre,foi a primeira vez que presenciei uma discussão tão produtiva e resoluções tão bem consenduadas.Em seguida veio Nando,trabalhamos novamente na cena da batalha e pós batalha.Acho que vai ficar lindo...algumas coisas já estão tomando sua forma.O homem da terra veio e para a terra voltará.

"Nanã, a deusa dos mistérios, é uma divindade de origem simultânea à criação do mundo, pois quando Odudua separou a água parada, que já existia, e liberou do “saco da criação” a terra, no ponto de contacto desses dois elementos formou-se a lama dos pântanos, local onde se encontram os maiores fundamentos de Nana.Senhora de muitos búzios, Nana sintetiza em si morte, fecundidade e riqueza. O seu nome designa pessoas idosas e respeitáveis e, para os povos Jeje, da região do antigo Daomé, significa “mãe”.

A vida está cercada de mistérios que ao longo da História atormentam o ser humano. Porém, quando ainda na Pré-História, o homem se viu diante do mistério da morte, em seu âmago irrompeu um sentimento ambíguo. Os mitos aliviavam essa dor e a razão apontava para aquilo que era certo no seu destino.

A morte faz surgir no homem os primeiros sentimentos religiosos, e nesse momento Nana faz-se compreender, pois nos primórdios da História os mortos eram enterrados em posição fetal, remetendo a uma ideia de nascimento ou renascimento. O homem primitivo entendeu que a morte e a vida caminham juntas, entendeu os mistérios de Nana.

Nana é o princípio, o meio e o fim; o nascimento, a vida e a morte"

Comentários