Reforçando o aprendizado

Olá pessoal!

Algumas pessoas reclamaram que não estão conseguindo acessar o corais, mas este ainda é o melhor meio de contato que tenho com vocês.

No nosso primeiro encontro fiz um pequeno tour sobre a história da fotografia com vocês. Insisto que a história é muito importante quando estamos falando de construção de imagens. Falamos também sobre o tripé em que se apoia a técnica fotográfica responsável pelo controle da luz: ISO, abertura e velocidade e disponibilizei alguns livros de fotógrafos importantes destacando entre eles 2 brasileiros: Sebastião Salgado, no campo documental, e Luciano Candisani, que faz fotografia de natureza e trabalha para a National Geographic.

Gostaria que vocês tivessem assistido ao filme que separei sobre os primórdios da fotografia, mas infelizmente não consegui com que o philos.tv funcionasse na rede da empresa. O documentário não está disponível em DVD aqui no Brasil, então vou ficar devendo essa. Queria reforçar alguns pontos que acho importante sobre a história da fotografia: 

HISTóRIA

1. A câmera escura, percursora da fotografia, data do renascimento e há alguns relatos anteriores a isso. Para agregar maior valor segue um artigo interessante que acheio no infoEscola (http://www.infoescola.com/fotografia/camara-escura/)

2. Entre as grandes motivações que levaram o homem a criar a máquina fotográfica cito dois muito importantes: o avanço da ciência e da tecnologia e o desejo do homem de fazer uma cópia fiel do mundo.

3. As regras de composição na fotografia são descendentes da pintura e dos estudos da Gestalt realizados na segunda guerra mundial, esta última trata da percepção que o homem tem sobre a imagem.

4. Na fotografia, assim como na arte e na ciência, é importantíssimo conhecer as regras, tanto para seguí-las quanto para quebrá-las. Em ambos os casos é preciso conhecer para fazer com consciência e ter bons resultados.

O TRIPé DA FOTOGRAFIA PARA O CONTROLE DA LUZ

ISO (ou ASA nos EUA e DIN na Alemanha) é o termo utilizado para indicar a sensibilidade do filme, termo utilizado inicialmente antes do advento da fotografia digital. O termo permanece e hoje foi ampliado para superfícies fotossensíveis. Uma boa leitura para quem quer se aprofundar está no Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Sensibilidade_fotográfica). Quanto mais luz temos no ambiente, menor valor de ISO será exigido, exemplo: em um dia de muito sol em uma praia sem sombras, podemos utilizar ISO 50 para realizar a fotografia. À noite, com pouca iluminação, um ISO de valor mais "alto" pode ser necessário, por exemplo ISO 1600. Esses são parâmetros gerais e não uma regra que não pode ser modificada, pois mesmo à noite é possível utilizar um ISO mais "baixo", por exemplo ISO 50, compensando com luzes artificiais, grandes aberturas e/ou baixa velocidade.

ABERTURA (f/xx) : A abertura do diafragma de uma lente é representada pelo símbolo f . O diafragma (abertura) pode ir de f/1,4 até f/22 (números mais comuns, porém podemos encontrar lentes com aberturas menores que f/1,4 e maiores que f/22), o menor o número representa a maior abertura para entrada de luz, o maior número representa a menor abertura. Segue uma indicação de leitura (http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2014/04/saiba-o-sig...)

VELOCIDADE  (s): A velocidade do obturador está associada ao tempo em que ele ficara aberto para a entrada de luz. Quanto mais baixa a velocide mais tempo o obturador ficara aberto para entrada de luz , por exemplo 1/5s. Neste caso é necessário que a máquina esteja apoiada em um tripé ou sobre algum apoio firme para evitar que a imagem saia tremida (se não desejar que isso ocorra). Uma velocidade de 4000s faz com que o obturador abra e feche em uma velocidade muito maior podendo fixar uma imagem que esteja em movimento, como por exemplo, um carro de corrida em alta velocidade. Um bom texto para entender melhor a velocidade (http://pt.wikipedia.org/wiki/Velocidade_do_obturador)

Aproveitando a história e associando ela as informações sobre ISO, abertura e velocidade, convido vocês a entrarem da página da Kodak, que foi responsável pela popularização da fotografia nos seus primórdios e do slogan: "você aperta o botão, nós fazemos o resto!"

http://wwwbr.kodak.com/BR/pt/consumer/fotografia_digital_classica/para_u...

EXERCITANDO....

Um site legal indicado pelo Rodrigo para exercitar o "tripé" da fotografia. É muito legal! Vale a pena entrar para exercitar! Não percam! Coloquei uma foto do site só para atiçar a curiosidade de vocês.

http://camerasim.com/apps/camera-simulator/

Em iluminação, você escolhe entre sol, tempo nublado, luz interna, etc.

Distância - você escolhe a que distância você está fotogrando o seu alvo

Comprimento focal - você escolhe qual a distância focal desejada. Distância focal está associada ao tipo de lente (ou objetiva) conforme vimos na sala de aula: menor que 50mm são classificadas como grande angulares, a 50mm é classificada como normal, acima de 50mm teleobjetivas. Achei um post legal falando sobre este assunto, vai ser legal dar uma passada por ele (http://www.fotografiaparatodos.com.br/fotografia/?p=43)

Na segunda coluna você tem 3 opções a escolher: Prioridade de Abertura - você escolhe qual a abertura desejada, por exemplo f/2.8, e o programa calcula automaticamente a velocidade. Proridade de Velocidade - você escolhe a velocidade desejada, por exemplo 1/125s, e o programa calcula automaticamente a abertura. Ou ainda escolhe o modo manual (M), onde você é quem escolhe a velocidade e a abertura. Percebam que logo abaixo da imagem da menina, aparece o medidor de fotometria (-2 . . -1 . . 0 . . 1 . . 2), ele auxilia indicando se os parâmetros entre ISO, VELOCIDADE e ABERTURA, estão de acordo com a iluminação da sena. Na última coluna estão os botões de ISO, velocidade e abertura. Por fim é só apertar o último botão (grande) e você fez a foto! Se ficar ficar boa você ganha um sorriso, caso contrário.... rsrs

Na próxima aula vamos trabalhar o conceito de iluminação para retrato. Estudem bastante abertura, velocidade e iso! 

Bom final de semana para todos!

Comentários