Super Plantas - Brainstorm

Etiquetado:

Olá super seres não plantas

Para iniciar nosso grupo, sugiro um brainstorm bem aberto, tudo que vou colocar aqui abaixo foram ideias iniciais, este é o momento para viajar na super batatinha. Deixo aqui algumas coisas que foram discutidas no surgimento deste projeto e já algumas coisas discutidas em nossa primeira reunião:

Tema: 

A ideia surgiu a partir de um jogo no estilo super trunfo sobre árvores, a dinamica do super trunfo é muito básica, é comparação de poderes, isso nos iluminou para trazer conteúdos mais ricos e uteis para nosso dia-a-dia, como plantas medicinais. Mas isso ainda é muito amplo, acham que podemos ser mais especificos ou achar outro tema ainda mais relevante ao IAM?

Gameplay

Super trunfo é legal e simples, quase não precisa de instruções e pode ser aplicado mundialmente, contudo, é um jogo de batalha, as pessoas não constroem algo juntas, apesar de ser uma competição simples e sua simplicidade pode cansar, acredito que aqui temos oportunidade para inovar e ainda continuar simples, podemos buscar referências de outras dinamicas de jogos de cartas para avaliar se realmente vamos neste gameplay mesmo.

Grupo de poderes

Se o super trunfo fizer sentido mesmo, temos outra decisão bem estratégica, que são os poderes comparáveis, temos algumas sugestões, mas particularmente acho que ainda não chegamos no ponto certo, estes poderes precisam ser relevantes para as pessoas como também entre si, os poderes podem ser para combater algo ou para melhorar algo, como:

Poder para:

  • Energizar
  • Relaxar
  • Curar
  • Iluminar (Mistico)

Poder de curar

  • Alergias
  • Ferimentos
  • Infecções
  • Vírus
  • Bacterias

Poder para:

  • Corpo
  • Mente
  • Alma

Poderes avulsos que não encontrei um grupo:

  • Poder de tintura, para ser usado como tinta natural
  • Bom para orgãos/funcoes: Estomago/Digestao, Plumoes/Respiração, Musculos, Pele, Ossos..
  • Afrodisiaco, meio polemico, ainda mais se estamos se quisermos que não tenha limite de idade. Poderia ser usado em uma segunda versão do Super Plantas XXX. :p
  • Estigma, é um contra poder na verdade, mas parece interessante também, pois muitas super plantas são estigmatizadas, isso seria seu contra ponto.
  • Super facilidade de encontra-la na natureza
  • Resistencia climatica, aguenta frio, calor, muita agua, pouca agua.
  • Sabores: Amargo, Doce, ...

Lembrem-se que é importante encontrarmos um grupo coezo, comparável e util para o dia-a-dia, na escolha das plantas também tem algumas dicas, como colocar algumas plantas bem fracas de poderes, outras com super poderes mas com pontos fracos, e aquelas Super Plantas, que são poderosas mesmo, dificeis de serem vencidas e perder uma delas é bem triste.

Estética

A ideia de personificar as plantas em personagens super poderosos deixa o jogo mais divertido e ludico, por outro lado dificulta na identificação real, mas isso pode fazer parte da super metodologia de aprendizagem duradoura, encontrar essas plantas em seu estado natural e recordar delas em seu estado lúdico pode criar uma nova relação, diferente de lembrar dos seus pais dizendo que tem que comer pois faz bem para os olhos, ou lembrar que tem um gosto muito ruim.

Impressão

  • Utilizar materia prima menos agressiva na produção do jogo, tanto no papel como na tinta
  • Podemos trabalhar com aromas, trazendo uma experiencia ainda mais rica com as plantas, mas temo que avaliar problemas de alergias.
  • Permitir leitura em braile.

Bom era isso gente, deixo aqui abaixo a apresentação que fiz sobre a ideia para inspirá-los.

Comentários

#1

Atualmente o GT Super Plantas está composto pelos jardineiros:

Diego, Fred, Bruna, Vini.

Mais alguém? Além de Jesus o jardineiro?

#2

Abaixo estão as regras do jogo tradicional, acho que não precisamos seguir ao pé da letra!

Regras

Participantes: 2 ou mais
Idade: a partir de 7 anos

Objetivo:
Ficar com todas as cartas do baralho.

Preparação:

As cartas são distribuídas em número igual para cada um dos jogadores. Cada jogador forma seu monte e só vê a primeira carta da pilha. As cartas possuem informações sobre carros como: potência, velocidade, cilindros, peso e comprimento. É com estas informações que cada um vai jogar.

Como jogar:

Se você é o primeiro a jogar, escolha, entre as informações contidas em sua primeira carta, aquela que você julga ter o valor capaz de superar o valor da mesma informação que se encontra na carta que seus adversários têm em mãos. Por exemplo: você escolhe a informação velocidade, menciona-a em voz alta e abaixa a carta na mesa. Imediatamente todos os outros jogadores abaixam a primeira carta de suas pilhas e conferem o valor da informação. Quem tiver o valor mais alto ganha as cartas da mesa e as coloca embaixo de sua pilha.

O próximo jogador será o que venceu a rodada anterior. Assim prossegue o jogo até que um dos participantes fique com todas as cartas do baralho, vencendo a partida.

Se dois ou mais jogadores abaixam cartas com o mesmo valor máximo, os demais participantes deixam suas cartas na mesa e a vitória é decidida entre os que empataram. Para isso, quem escolheu inicialmente diz um novo item de sua próxima carta, ganhando as cartas da rodada quem tiver o valor mais alto.

O participante cuja carta da rodada for a marcada como "Super Trunfo" automaticamente ganha a rodada, a não ser que a carta de um dos participantes seja número 1, ex: A1, B1, C1, etc., quando este ganha a rodada e, consequentemente, a carta "Super Trunfo".

#3

Outro motivo para criarmos uma regra diferente é quanto aos direitos autorais, o professor que criou o super trunfo das arvores inseriu esse comentario no blog dele:

O nome e a marca Super Trunfo são de inteira propriedade de Grow Jogos e Brinquedos S.A. e não será explorado comercialmente por este blog. Todos os direitos reservados à empresa.

http://progressoverde.blogspot.com.br/2008/03/super-trunfo-rvores-brasil...

#4

Interessante. Uma sugestão de bibliografia - https://books.google.com.br/books/about/Plantas_medicinais_no_Brasil.html?id=xPEfAQAAIAAJ&hl=pt-BRlivro "Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas" Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2002  Vinícius P. Palermo

#5

Sinalizo que a Bruna já providenciou a compra desta bibliografia referencia deste famoso pesquisador Lorenzzi, pesquisador do Jardim Botanico do Rio. Estamos aguardando chegar aqui e estará disponível para uso.

Penso que podemos substituir a carta do super trunfo pela carta "Curandeira" ou "Pajé" ou mesmo algo que remote as culturas tradicionais que dominam os poderes destas plantas. Tipo um coringa... algo assim

Contribuição ao Brain Storm (pirações)

Podemos pensar em outras dinamicas de jogo, além do Super Trunfo, que utilizem as mesmas cartas e informações sobre as plantas dentro de um contexto mais colaborativo ou até como o magic the gathering, envolvendo estratégia. Talvez isto complique um pouco, mas acho que até um rpg rola, onde estas ervas sejam os itens cobiçados. Acho que tendo pronto este super trunfo podemos experimentar as cartas em outras dinamicas e ir adicionando isto a um blog que é a central de compatilhamento de outras formas de explorar o material e até uma interface com os desenvolvedores para adaptar o material e evolui-lo.

#6

OLÁ amigos!

Primeiramente, Diego essa idéia foi sensacional, não sei se já havia te dito isso antes!

Quanto a dinâmica do jogo podemos repensar, visto essas questões autorais. Gostei da carta "pajé" ou "curandeira". Essa estratégia do valor mais alto é legal, pensei também em de repente fazer por sistemas do corpo que a planta atue e isso ser o eixo a se comparar. Pode dificultar o jogo também, não sei foi uma boa idéia, mas lanço na roda. Defendo que a simplicidade do jogo mantém sua genialidade e fácil acesso pelo público infantil.

Me veio outra questão esses dias. Estava pensando em quais plantas usaremos. O livro do Lorenzi já está aqui e tem muitas plantas, mais de 350 espécies. O Vini está com um outro sobre plantas medicinais da Amazônia, e ainda tem mais outros livros. Quais critérios usaremos para escolher essas plantas?

Eu tinha pensado em envolver alguns quesitos para essa escolha, do tipo: muito conhecidas, de uso cotidiano e que não sabemos seu poder medicinal, que abrangesse o território nacional,que envolvessem fatores de curiosidade, que tenham importância histórica e/ou econômica etc..

Conversei isso com o Vini hoje e achei válido postar aqui.

Me lembrei de um livro bem interessante, nesse link fala-se um pouco sobre ele:

https://

Abraços!

#7

Olá GAlera,

Novata no pedaço,

...impressionada comm a plataforma...

gostei da odéia do jogo, sou mãe de três crianças e permacultora, atuando com ecopedagogia e agrofloresta, e gostaria de contribuir e assim aprender as ferramentas/interação por aqui.

Grata!

#8

Olá Araí! Seja bem vinda! O projeto está começando e para participar basta comentar como você já fez!

Acho ótima ideia produzir um jogo de cartas do IAM pois o custo é baixo e a possibilidade de utilização em ações é grande. Acredito que a principal questão agora é pensar essa mecânica pois me parece muito forçada. Não consigo ver plantas competindo dessa forma, acho que talvez sejam os seres mais tolerantes e colaborativos da Terra. Com o elemento Pajé aí a competição faz mais sentido, apesar de que podemos ter também mecânicas colaborativas. 

Encontrei no blog Cronologia Boardgame algumas outras mecânicas de jogos de cartas para nos inspirar.

Hand Management: São jogos que usam cartas para jogar em sequencia, como fazer combos para levar vantagem no jogo ou em grupos que se junta um numero de cartas na mão para fazer um objetivo ou ganhar pontos, varia muito do estilo do jogo.

Deck / Pool Building: É uma mecânica que os jogadores começam o jogo com um conjunto pré-determinado de cartas ou peças, e vão adicionar peças e cartas ao longo do jogo podendo alterar depois. Muitos jogos de contrução de baralho os jogadores começam com cartas que geram recursos, para poder comprar mais cartas que vão sendo adicionadas a sua pilha de descarte, depois que acaba o baralho o jogador reembaralha o descarte e compra novas cartas assim construindo o baralho e montado sua estrategia de acordo com o jogo, para levar vantagem e ganhar.

Card Drafting: São jogos que os jogadores escolhem cartas de um subconjunto limitado, como um baralho, os jogadores escolhem cartas na hora para levar alguma vantagem imediata ou para montar uma mão com cartas que são utilizadas para cumprir objetivos dentro do jogo.

Campaign / Battle Card Driven: A mecânica se concentra as ações que os jogadores usam cartas que eles tem na mão, na maioria dos jogos cada um escolhe sua carta separa e depois revela fazendo a ação.

Uma referência de jogo de cartas criados na Corais é o UXCards. Tem um post sobre uma mecânica de planejamento de projetos. Não acho que é uma mecânica apropriada para o Super Plantas, mas serve como referência de processo. Esse baralho foi quase que inteiramente projetado pela Corais e ficou bem legal o resultado.

#9

Oi Fred,

Continuo impressionada com o volume e qualidade de informações...
Bom, ontem eu já tinha sentido isso, que fazer algo que inspire competição como no super-trunfo não faz sentido.

Na agrofloresta aprendemos que as espécies que mais se desenvolvem são as colaborativas, o contrário do paradigma da competição de darwin, rs....

Poderia ter essa inversão, de ao invés de competir, consorciar, algo assim... tem o padrão de um só vencedor também a ser pensado, pois só um vence e os outros ficam tristes, em jogos mais colaborativos sai dessa dinamica de ganhar e perder tão direta.

Tem o Jogo da carta da Terra, vcs conhecem?

https://vimeo.com/32614822

Nossa, espero ajudar e não desconstruir, rs...
vamos tecendo, eu adorei a idéia!

Gratidão

#10

Maaaaaaassaa galera, agora é a hora da consdesconstruçao, concordo plenamente com a idéia de ser um jogo mais colaborativo, melhor ainda se chegássemos em um resultado que pudéssemos permitir uma dinâmica bem simples, mas com adição de outros elementos, outro baralho ou combinação de novas regras o jogo evolui para algo mais complexo. Ta fácil? Vou dar uma estudada nesses cases. Em ter, 23 de jun de 2015 14:41, <mensagens [at] corais [dot] org> escreveu: ((( Envie um COMENTÁRIO por email mantendo esta linha abaixo de sua mensagem, sem assinaturas ))) Olá diegodotta, Comentário de Araí Owã ================================== Oi Fred, Continuo impressionada com o volume e qualidade de informações... Bom, ontem eu já tinha sentido isso, que fazer algo que inspire competição como no super-trunfo não faz sentido. Na agrofloresta aprendemos que as espécies que mais se desenvolvem são as colaborativas, o contrário do paradigma da competição de darwin, rs.... Poderia ter essa inversão, de ao invés de competir, consorciar, algo assim... tem o padrão de um só vencedor também a ser pensado, pois só um vence e os outros ficam tristes, em jogos mais colaborativos sai dessa dinamica de ganhar e perder tão direta. Tem o Jogo da carta da Terra, vcs conhecem? https:// [1] Nossa, espero ajudar e não desconstruir, rs... vamos tecendo, eu adorei a idéia! Gratidão Link para responder: http://corais.org/iamcentral/node/87240#comment-12557 -- Esta é uma mensagem automática de Corais Para gerenciar suas inscrições, acesse http://corais.org/iamcentral/user/1867/notifications Você pode se desinscrever aqui http://corais.org/iamcentral/notifications/unsubscribe/sid/130354?signat... View original post: http://corais.org/iamcentral/mailcomment/redirect/%3C1867.87240.12557.14... [1] https://

#11

Olá Galera, Estou a três dias sem conseguir entrar na plataforma. O que pode estar acontecendo?! Eu não sei nada sobre corais, e estou precisando de ajuda com a plataforma. Estou morando em morretes, estamos tentando achar uma plataforma que a cooperafloresta possa utilizar, tem associações de agricultores que estão distantes fisicamente uma da outra, a plataforma ajudará muito. Nossa luta é pela agroecologia. Eu estava fazendo uns testes, vendo uns documentos, pra ter idéia mesmo do que se pode fazer, aprender as ferramentas, mas não sou fake não, rs... Meu facebook é anacorreia [at] gmx [dot] de e meu nome guarani é Araí Owã Aguardo ajuda!!!!! Abraços a todos, GratidOM!!!!!! Em 2015-06-23 23:00, mensagens [at] corais [dot] org escreveu: ((( Envie um COMENTÁRIO por email mantendo esta linha abaixo de sua mensagem, sem assinaturas ))) Olá, Araí Owã Comentário de diegodotta ================================== Maaaaaaassaa galera, agora é a hora da consdesconstruçao, concordo plenamente com a idéia de ser um jogo mais colaborativo, melhor ainda se chegássemos em um resultado que pudéssemos permitir uma dinâmica bem simples, mas com adição de outros elementos, outro baralho ou combinação de novas regras o jogo evolui para algo mais complexo. Ta fácil? Vou dar uma estudada nesses cases. Em ter, 23 de jun de 2015 14:41, escreveu: ((( Envie um COMENTÁRIO por email mantendo esta linha abaixo de sua mensagem, sem assinaturas ))) Olá diegodotta, Comentário de Araí Owã ================================== Oi Fred, Continuo impressionada com o volume e qualidade de informações... Bom, ontem eu já tinha sentido isso, que fazer algo que inspire competição como no super-trunfo não faz sentido. Na agrofloresta aprendemos que as espécies que mais se desenvolvem são as colaborativas, o contrário do paradigma da competição de darwin, rs.... Poderia ter essa inversão, de ao invés de competir, consorciar, algo assim... tem o padrão de um só vencedor também a ser pensado, pois só um vence e os outros ficam tristes, em jogos mais colaborativos sai dessa dinamica de ganhar e perder tão direta. Tem o Jogo da carta da Terra, vcs conhecem? https:// [1] Nossa, espero ajudar e não desconstruir, rs... vamos tecendo, eu adorei a idéia! Gratidão Link para responder: http://corais.org/iamcentral/node/87240#comment-12557 [1] -- Esta é uma mensagem automática de Corais Para gerenciar suas inscrições, acesse http://corais.org/iamcentral/user/1867/notifications [

#12

Olá Pessoal! 

Araí: Seja Bem vinda! Conheço da epoca da faculdade de agronomia e sou um grande apreciador do trabalho da Cooperafloresta, me disponho a ajudar no que precisar. Por favor me contate: jayamstel [at] gmail [dot] com ou 21 98319-9743 (tim)

Quanto ao jogo realmente sinto que estamos realizando o ciclo do Orus Borus (basilisco que come o próprio rabo), embora isto possa ser meio esquisito, mas to achando isto bem válido. Acho que para tangeciarmos precisamos fazer uma imersão física. Ai que eu puxo a sardinha aqui para o Rio de Janeiro, olha só o cardápio:

- Visita ao setor de plantas medicinais do Jardim Botânico do Rio de Janeiro - Brainstorm no local e conversa com especialista na área

- Viagem a Teresópolis para imersão no mundo dos jogos (final de semana) - Experimentar vários jogos diferentes

- Construção coletiva do jogo Super Plantas

- Aplicação do protótipo com público Alvo (podemos ir para Queimados onde tem a galera do Comando Sócolinha que vai curtir testar o jogo)

Creio que se nos esforçarmos para reservar data e investir o recurso do transporte poderemos organizar isto e na sequencia buscar formas de viabilizar o jogo. 

Que tal uma enquete sobre as datas?

#13

Ótimas sugestões Jay. Vinícius P. Palermo