Pular navegação

Tudo's blog

Ajuda

Memorial 01.04.14 - Luana Paim

Apesar de ter chegado atrasada no encontro com Maise, pude absorver bastante coisa sobre iluminação, refletores, filtros, foco, rebatedor... Assistimos a vários vídeos da foco filmes e pudemos notar as gritantes diferenças de iluminação. Também aprendemos o porquê do fundo verde para edição e em qual distância devemos ficar dele. Foi explicado também que não se pode mecher no refletor ligado e nem ter contato direto com a lâmpada. Enfim... Uma infinidade de coisas interessantes!

Memorial 02.04.14 Mauricio Pedreira

Soltando os Bichos

Memorial 02.04.14 Mauricio Pedreira

O encontro começou no ritmo da capoeira, jogamos e entendemos o conceito da capoeira de angola. Daí começou o trabalho de concentração, relaxamento e percepção do corpo, esse um ótimo exercício pra canalizar energia, com essa sensibilidade identificamos o bicho que correspondia ao nosso personagem em uma cena que estamos trabalhando do MacBeth reproduzimos essas feras no corpo e improvisamos, lutamos e andamos ate a exaustão, por fim fizemos minuciosamente esta cena em questão.  

Memorial 01.04.14 Mauricio Pedreira

Satisfação e Mesa

Memorial 01.04.14 Mauricio Pedreira

Hoje o encontro pra mim teve um sabor especial, cheguei no vila e vi varias crianças concentradas e se divertindo na arena que ajudei a montar isso foi muito gratificante e gostoso. Tivemos o dia da Mesa de Som, aprendemos a montar um sistema simples com um microfone usando os equipamentos de chegada e saída de som e aprendemos como manusear alguns comandos da mesa, depois conversamos sobre o esquema de som de Troilus e Cressida e como poderíamos montá-lo, isso foi muito bom, pois desmistificou o que parecia muito complexo. 

Memorial 31.03.14 Mauricio Pedreira

Força, Intensidade e desabafos

Memorial 31.03.14 Mauricio Pedreira

Após uma montagem de palco onde tive o primeiro contato com os praticáveis começamos o nosso encontro um pouco mareado do fim de semana Bertho meteu logo uma corda para todos acordarem, fizemos movimentos sinuosos encaretamos o corpo por algum tempo e já sentimos o desgaste, fizemos movimentos aleatórios designado por cada integrante, extravasamos com um exercício onde tínhamos que “xingar” em um momento e aceitar a provocação em outro. Improvisamos o alfabeto,depois usamos o poder como tema e por fim tivemos uma roda de verdades. 

Memorial 31.03.14 - Luana Paim

Domingo: dia de pensar se sobreviverei ao encontro com Bertho.
As vezes penso que não vou conseguir chegar ao final do exercício. Meu corpo fica a mil por hora. Parece que o coração vai sair pela boca e o ar vai acabar de vez. Acho que nunca senti meu corpo tão vivo como tô sentindo nesse processo. Que bom que estou sobreVivendo.

Assim como Bertho quer mais, eu também quero. Espero nunca me satisfazer pois não quero me sentir um ser acabado. Não nasci pronta e estou longe de estar. Queroduero me (nos) construir ainda mais no decorrer da minha (nossa) trajetória; buscando sempre a perfeição, mesmo que esta esteja longe.

Depois desse primeiro momento, fomos ao improviso. Vários e vários nós na cabeça. O que já era dominado (o alfabeto), sumia e você se perguntava "qual letra vem depois dessa?". Foi fantástico!

Nos juntamos também em grupos, fizemos improvisos sobre O PODER e logo após cada um fez uma partitura.

Memorial 28.03.14 Mauricio Pedreira

Sintonia

Memorial 28.03.14 Mauricio Pedreira

Mais uma vez trabalhamos a sintonia do grupo  com um exercício onde andamos, trotamos mudando de direção sempre a medida que aparecia um som vinda do centro da roda sempre utilizando o “triangulo do poder”. Após o exercício usamos os documentos angariados por nos sobre o golpe de 64, com fatos de antes, durante e depois da fatídica data para reproduzir uma cena, trabalhamos em dupla e foi muito bacana ver a criatividade das duplas tornando tudo um lazer. Por fim fizemos uma leitura de uma cena do terceiro ato do “MacBeth” com todas as versões que tínhamos do livro a priori e depois com um com um livro especifico para todos trabalharem, bom dia de trabalho.

Memorial 31.04 – Nai Barretto

Memorial 31.04 – Nai Barretto

Não tem jeito, os encontros com Bertho sempre ultrapassam as expectativas!

A energia que ele arranca da gente é inimaginável! Mais uma vez fomos ao ápice do desgaste físico! O problema (ou não!) é: com ele, nem o céu é o limite! (Risos) Roupas brancas se transformam em cinzas, marrons, pretas. O suor, que antes aparecia pelo calor inerente à sala João Augusto, se transforma em um verdadeiro banho, retratado em cabelos molhados e roupas grudadas ao corpo!

Pronto, agora SIM estávamos preparados!

 Duas filas, indicação de seguir o alfabeto, construção de cenas de poder, jogos de reconstrução e... improvisAÇÃO!

Mas dessa vez, tivemos algo mais... mais profundo e particular!

----------

(PAUSA no memorial! Rs)

Memorial 31.04 – Nai Barretto

Memorial 31.04 – Nai Barretto

Não tem jeito, os encontros com Bertho sempre ultrapassam as expectativas!

A energia que ele arranca da gente é inimaginável! Mais uma vez fomos ao ápice do desgaste físico! O problema (ou não!) é: com ele, nem o céu é o limite! (Risos) Roupas brancas se transformam em cinzas, marrons, pretas. O suor, que antes aparecia pelo calor inerente à sala João Augusto, se transforma em um verdadeiro banho, retratado em cabelos molhados e roupas grudadas ao corpo!

Pronto, agora SIM estávamos preparados!

 Duas filas, indicação de seguir o alfabeto, construção de cenas de poder, jogos de reconstrução e... improvisAÇÃO!

Mas dessa vez, tivemos algo mais... mais profundo e particular!

----------

(PAUSA no memorial! Rs)

01 de Abril - 2° dia do Segundo Arco

Etiquetado:

Começamos a nossa longa jornada Shakespereana lendo em grupo o nosso sanguinário Macbeth. Macbeth é uma das quatro grandes tragédias do velho Will. De todas as tragédias é a mais curta, com apenas 2.107 linhas, pouco mais da metade das 3.924 de Hamlet. Fizemos uma leitura branca. Ficamos em roda e Meirelles ia escolhendo a cada cena, as pessoas para ler os personagens. Meirelles pediu mais brilho nas leituras. Essa primeira leitura é mais de entendimento do texto. Vamos destrinchando passo à passo cada palavra. É um exercício de paciência, disciplina e concentração. Não sou fã, mas sei que é essencial para começo de trabalho. Confesso que o universo Shakespeare é complexo. Não estou acostumado ler em verso. Acho que vou sofrer mais do que o processo de Frankenstein no final do 1° Arco. Sei que vai ser um desafio trabalhar esse monstrinho que à 450 anos vem sendo executado pelo mundo afora. Sem falar nos 50 anos do Teatro Vila Velha.

Memorial 26.03 - Dado Rocha

Iniciamos com mais uma aula de capoeira com Leno, onde aquecemos nosso corpo, em seguida, tivemos aula com Chica Carelli. Pediu-nos que relaxássemos e observássemos cada movimento até seu acabamento absoluto. Observados e orientados de perto pela maravilhosa Chica. Em seguida, andamos passo a passo e durante o processo vigiamos as nossas sensações e nos fez entender que precisamos trabalhar nosso corpo como receptor.

   No final, trabalhamos o texto (MacBeth ) numa imposição corporal.

Dado Rocha

Precisa de ajuda?

Blog

O blog permite que os membros de um projeto se comuniquem, discutindo e publicando novidades. É um ótimo lugar para compartilhar processos, desafios e explorar ideias.