Pular navegação

O coletivo tem experiência com gestão de algum tipo de recurso?

O coletivo tem experiência com gestão de algum tipo de recurso?

 Formar grupos e discutir as seguintes questões:

  • O que se entende por Economia Solidária?

  • Qual a diferença entre economia solidária e economia capitalista?

  • Qual a diferença das finanças no sistema capitalista e na economia solidária?

​Os monitores se dividirão para alimentar a plataforma com as respostas trazidas de cada grupo.

Prazo: 
14/10/2022 (O dia inteiro)
Prioridade: 
Alta

Comentários

#1

Em consenso com a turma, designamos grupos para as tarefas. O coletivo tem experiência com gestão de algum tipo de recurso, será respondido pelas alunas Alice Monteiro, Ana Julia Hygino e Isabelle Gama.

Formalmente, não. Porém, existe um combinado entre os membros, principalmente em relação ao Mercado de Pulgas, em conjunto com as artesãs, em que há a coleta de um valor simbólico dos membros. Com essa “caixinha” os membros poderiam pegar dinheiro emprestado (sem juros) quando necessário, sempre registrando entradas e saídas no papel. Dessa forma, esses valores coletados serviam para atender necessidades pontuais dos membros, sem servir a um propósito comum. A explicação para essa situação seria que a renda conquistada com o Mercado de Pulgas é complementar uma renda principal dos projetos. Entretanto, esse tipo de atividade representa a economia solidária, uma vez que se baseia em empreendimentos solidários, que buscam uma autogestão coletiva da força de trabalho, incentivando a inclusão dos trabalhadores nas tomadas de decisões, os tornando protagonistas de suas economias.

Foi levantada a dificuldade de organizar e contabilizar o dinheiro que circula entre os membros, principalmente com o gasto de material.

O que existe, atualmente, é uma gestão de recursos não financeiros, como a troca/doação/desapego de materiais/insumos que estão sobrando e peças já prontas que até então não foram vendidas entre os membros. Outro tipo de recurso compartilhado é a mão de obra e até a criação de materiais/utensílios para uso coletivo (“caixinha” de produtos, materiais e utensílios).

Assim, percebe-se que essas atividades são anti-capitalistas, uma vez que visam o vem estar social do grupo, a inclusão de todos o crescimento do grupo e o fortalecimento do empreendimento mais do que o lucro que os membros virão a ter.

Aqui, o que importa é que o grupo se auto-sustente de forma a não gerar custos, mas o lucro não é visado. A ideia capitalista de “ficar rico” do dia para a noite passa longe da realidade da economia solidária.

Aqui o que importa é viver da melhor forma possível, trabalhando em atividades que não só gerem renda, mas bem-estar, além de promover a solidariedade entre os membros. Não é só o dinheiro que circula, mas os bens, a mão de obra e os utensílios também. É esse espírito de coletividade que distancia a economia solidária do capitalismo individualista.